Biografia - Capítulo 4: Anos de esperança e desilusão (1774-1779)


CAPÍTULO 1 | CAPÍTULO 2 | CAPÍTULO 3 | CAPÍTULO 4 | CAPÍTULO 5


Após o relativo fracasso em Viena, Mozart ficou em casa por longos meses. Nesse período, sem muitos grandes eventos, Mozart produziu e evoluiu muito, apesar de se encontrar numa cidade em que não se sentia universalmente valorizado como gênio, e onde só poderia escrever uma nova ópera por acaso.

O jovem Mozart, agora com 18 anos, assimilara bem as lições que recebera na Itália e em Viena. Ele já havia composto especialmente um grande número de peças orquestrais, entre elas um sem número de sinfonias, serenatas, divertimentos, quartetos de cordas e peças litúrgicas.

A nobreza e o Arcebispo Colloredo pagavam somas razoáveis - dentro dos limites salzburgueses - por essas peças. Mas podemos deduzir claramente por sua correspondência que Mozart não estava satisfeito com o ambiente musical e a acolhida que suas composições recebiam. Ainda na segunda viagem italiana, Mozart disse à sua irmã que "Não tenho mais saudade de Salzburgo - tenho medo de também enlouquecer" (carta de 21 de setembro de 1771). Em poucas palavras ele traduz um pensamento que o levaria a dar passos ousados no futuro.

Certamente parecia-lhe que enquanto suas composições permanecessem dentro de certas convenções, elas seriam aplaudidas. Ele ressentia-se especialmente - a ponto de desabafar em carta com o Padre Martini - com o fato de suas missas, mesmo as longas, terem um limite de tempo estipulado pelo Arcebispo (além de restrições estilísticas), e isso lhe tirava a possibilidade de ser criativo e inovador.

Mozart certamente previa para si um futuro brilhante nas grandes cortes européias. E, diferentemente dos seus colegas conterrâneos, que nasceram e haviam de perecer inofensivos e domesticados em Salzburgo, Mozart esperava algo grandioso.

Finalmente, em meados de 1774, Mozart recebeu a encomenda de uma ópera para a nova temporada do Teatro de Munique. O responsável por essa encomenda tanto pode ter sido tanto o Joseph Anton, Conde Seeau, - responsável pelos assuntos culturais do Príncipe-Eleitor Maximilian III Joseph - como o Bispo de Chiemsee, Conde Ferdinand Christoph Waldburg-Zeil, protetor e amigo dos Mozart.

Cheio de esperança por um cargo nessa cidade promissora, Mozart partiu com seu pai Leopold em 6 de dezembro de 1774, com partes da ópera, La finta giardiniera K.196, já escritas. Lá chegando, ele sofreu porém com uma série de imprevistos, que adiaram a estréia por duas vezes. La finta giardiniera acabou estreando em 13 de janeiro de 1775 com grande sucesso, de acordo com a carta para a casa de 14 de janeiro de 1775. A ópera foi apresentada publicamente mais duas vezes.

Mas, quaisquer que fossem as esperanças de um cargo em Munique, o fato é que os Mozart retornaram para casa sem nenhuma novidade nesse sentido.  Mozart, porém, ficaria ocupado com uma nova encomenda que receberia imediatamente após seu retorno a Salzburgo. O Arcebispo Colloredo necessitava de uma nova ópera para um grande acontecimento.

No início daquele ano de 1775, o filho mais jovem da Imperatriz Maria Theresia, Maximilian Franz, visitava Salzburgo. Maximilian sempre fora um grande admirador e defensor de Mozart. O Arcebispo não errou ao escolher seu jovem Konzertmeister para escrever a nova ópera, ou serenata drammatica, Il rè pastore K.208, para o entretenimento do jovem Arquiduque, que tinha praticamente a mesma idade de Mozart.

Estreada em 23 de abril de 1775 (um dia após a apresentação de Gli orti esperidi, de Domenico Fischietti), Il rè pastore apresenta uma evoluída escrita instrumental, e, individualizando musicalmente os seus personagens, Mozart deu com essa ópera um grande passo na construção do seu próprio estilo. Mozart tinha muita consideração por essa ópera, pois levaria partes dela para serem executadas pela melhor orquestra da Europa na época, a Orquestra de Mannheim.

Depois desse grande evento, Mozart teria agora de esperar outros longos meses por outra chance. Enquanto isso, escreveu peças orquestrais importantes, os seus primeiros grandes concertos para piano e os famosos concertos para violino e orquestra, além de árias para artistas que ocasionalmente apareciam en route em Salzburgo. Os músicos locais sofreram a afronta de ter seu teatro demolido e sido construído um novo, que abrigaria apenas companhias teatrais itinerantes.

Aos 20 anos, Mozart resolveu desabafar com seu estimado amigo Padre Martini em Bolonha. Escreveu-lhe uma longa carta em 4 de setembro de 1776, na qual mandava uma missa que escrevera em Munique a pedido do Príncipe-Eleitor Maximilian III Joseph, sem, portanto, as restrições impostas por Colloredo. Nela também se queixava da situação do pai, ignorado pelo Arcebispo, e da má situação do teatro, impedindo-o de escrever óperas. A resposta de Martini, que porém nada podia fazer, foi consoladora e encorajadora.

Ora, as missas e as peças litúrgicas (cantatas e motetos, especialmente) eram o mais perto possível que Mozart podia chegar de sua forma de composição preferida: a ópera. Esta lhe daria mais tarde a liberdade de criar drama, paixão e comédia em música. Mozart ao menos pôde escrever algumas árias para as raras companhias ou para os artistas intinerantes, como a ária Voi avete un cor fedele K.217, para Caterina Ristorini, de quem pouco se sabe. Mas o exemplo mais surpreendente de sua escrita vocal dessa época é a ária grandiosa escrita para Josepha Dušek (ou Duschek),  Ah, lo previdi... Deh, non varcar quell'onda K.272.  Essa artista, a quem alguns historiadores tentaram ligar romanticamente com o compositor,  recebeu uma ária altamente dramática e inédita na escrita mozartiana. Limitando-lhe a criatividade, Colloredo aumentou sensivelmente a indisposição do compositor para com a claustrofóbica Salzburgo. Isso o fez desejar reviver a glória dos seus dias de menino prodígio.

Façamos porém justiça ao Arcebispo. Sob certo ponto de vista, Colloredo tinha grandes vantagens em relação ao seu antecessor, no sentido de que tinha idéias iluministas - adaptadas ao clero, naturalmente. Ele modernizou o sistema escolar da cidade, combateu as superstições, a idolatria dos santos e a decoração excessiva das Igrejas - estendendo essas restrições à música - antes mesmo de o Imperador Joseph II poder realizar reformas nesse mesmo sentido. Colloredo era porém um autocrata, e não tolerava insubordinação. Diferentemente de Joseph II (ele mesmo um autocrata), Colloredo não aceitava a liberdade de expressão dos mais simples, sendo portanto detestado por seus subordinados.

Em sua juventude, Leopold Mozart tivera notáveis acessos de desobediência e mesmo desrespeito às autoridades. Ele, agora com 58 anos, tentava amenizar no filho as revoltas que ele mesmo tivera. Seu filho porém estava visivelmente aborrecido de escrever divertimentos, serenatas e música litúrgica cheia de restrições. Estava na hora de viajar novamente, e o destino era Paris. Esse projeto ambicioso era o que se pode chamar de tiro no escuro, pois, apesar de conhecerem muitas pessoas influentes, os Mozart não tinham nada de seguro em mãos, como um contrato, ou mesmo uma encomenda. Mas eles estavam decididos a tentar.

Em 14 de março de 1777 Leopold dirigiu um requerimento ao Arcebispo. Esse documento está perdido, e especula-se que tenha sido um pedido de permissão para viajar. Sabemos que esse pedido foi negado, pois este é mencionado num ousado requerimento ditado por Leopold e assinado pelo filho. A citação das "graciosas recusas" recebidas, e especialmente a frase "Aproveitar nossos talentos é algo que nos ensina o Evangelho" receberam uma resposta sarcástica do Arcebispo abaixo do recibo: "Com isso, pai e filho receberam a permissão de procurar sua fortuna de acordo com o Evangelho." Colloredo, porém, voltaria atrás e demitiria apenas o filho.

A mãe deste, Anna Maria, seria então sua acompanhante. Ficando em casa, Leopold poderia ao menos sustentar a família com o salário de vice-kapellmeister. Mozart deixou Salzburgo em companhia de sua mãe e partiu em direção a Paris. A data era 23 de setembro de 1777, e eles chegaram em Munique no dia seguinte. Leopold jamais veria sua esposa novamente.

Em carta ao filho, Leopold relata o quanto Mozart fazia falta a Salzburgo, reproduzindo um diálogo entre o conde Firmian e o  Príncipe-Arcebispo, que comentara: "'Agora temos um músico a menos na orquestra'. Firmian respondeu, 'Vossa Graça perdeu um grande virtuose'. 'Como assim?', perguntou o Príncipe. A reposta foi, 'Mozart é o maior pianista que já conheci em minha vida; como violinista foi de grande valor para Vossa Graça; e ele é um compositor de primeira categoria'. O Arcebispo ficou em silêncio porque não tinha nada a dizer." (Carta de 4 de outubro de 1777).

O não sucesso dessa viagem se deve ao fato de que os governantes de Munique, Mannheim e Paris achavam que Mozart era muito jovem e inexperiente na função de kapellmeister, cargo de várias responsabilidades, embora não duvidassem de suas qualidades como compositor.

Uma das primeiras idéias de Mozart, tendo em vista a recusa do Príncipe-Eleitor Maximilian III Joseph, era estabelecer-se em Munique mesmo sem cargo fixo, como ele faria mais tarde em Viena. Leopold recusou essa idéia, e Nannerl, naturalmente, reforçou essa recusa; uma solução seria trabalhar para algum membro da aristocracia, mas isto também não teve resultado. Parecia mais razoável voltar suas esperanças à corte, baixando o nível de suas pretensões, candidatando-se ao posto de organista ou compositor da corte, em vez de kapellmeister. Ainda assim, nada foi oferecido.

Mozart, em suas cartas, parecia cada vez mais otimista com a perspectiva de encontrar emprego em Mannheim. Essa cidade possuía a melhor orquestra da Europa, e Friedrich Jacobi, um contemporâneo, chamou-a "um paraíso para músicos". Mesmo Leopold estava confiante que, se Mozart passasse ali o inverno, havia grandes possibilidades de uma contratação. É curioso ver como, tendo em vista os fatos que se seguiriam, Leopold viesse a mudar de idéia e ordenasse ai filho que deixasse a cidade.

O Eleitor Paladino daquela cidade, Karl Theodor, era um grande patrono da música, e possuía quatro filhos naturais a quem Mozart poderia dar aulas de piano, o que de fato ocorreu. Anna Maria Mozart escreveu para casa sobre os salários dos músicos, de 1400 florins ao konzertmeister a 3000 florins ao compositor Ignaz Holzbauer, e que, embora as coisas estivessem procedendo lentamente, ainda havia esperança.

 

 

 

 

 

EM CONSTRUÇÃO

 

Wolfgang Amadeus Mozart

 

Arquiduque Maximilian Franz

 

Capa da redução para piano e voz de Die Gärtnerin aus Liebe

 

Conde Seeau

 

Facsímile da ária Voi avete un cor fedele K.217

 

Príncipe-Arcebispo Colloredo

 

Wolfgang Amadeus Mozart

 

Maria Anna Thekla Mozart

 

Príncipe-Eleitor Karl Theodor

 

Aloisia Weber

 

Anton Raaff


Biografia

Index