Diário do Conde Zinzendorf


TRADUÇÃO: CAMILA ARGOLO


JOURNAL OVER EN REJSE IGIENNEN FRANKERIGE OG TYDSKLAND 1 AARET 1788, JOACHIM DANIEL PREISLER

(em dinamarquês)

Quarta-feira, 20 de agosto [de 1788]. Entre 10 e 11 [horas da manhã] o ator Lange veio nos buscar para ver sua própria coleção de retratos e ouvir sua esposa cantar - Um êxtase melancólico pôde ser visto imediatamente em seus olhos. Sua gravidez estava avançada e ela não poderia se apresentar naquelas condições. Que pena! pois ela era, apesar de alemã, a prima donna da Ópera Italiana. O famoso Mozart é seu cunhado, e ensinou-lhe tão bem que ela acompanha-se [ao piano] e toca interlúdios como um kapellmeister. Assim, ela cantou para nós uma grande aria di bravura, uma scena de Paisiello e um rondo da ópera Creso. A voz é algo excepcional! mas (falando como um amante de música, não como um dinamarquês) não é tão boa quanto a nossa Müller; ainda assim, sua extensão aguda, sua execução, seu bom gosto e conhecimento teórico não deixam de agradar qualquer crítico imparcial. Porém, seu destino será o mesmo de tantos bons súditos estrangeiros [...]. Ela recebe cerca de metade do salário dado aos italianos, embora seja obrigada e tenha condições de cantar os papéis mais longos e difíceis incomparavelmente melhor que as cantorinhas que aqui são mimadas pela nobreza vienense. A Ópera Italiana recebeu aviso prévio hoje e só continuará suas atividades até a Quaresma. Agora estou ansioso para saber s o Imperador decidirá se essa adorável Madame Lange será demitida com os outros. - Nós vimos alguns retratos excelentes, entre a maioria dos atores da Galeria do Teatro em miniatura, e Lange merece o crédito de haver feito cópias melhores que os originais. Na verdade, por algum motivo, ele desistiu da pintura, para a qual ele é excepcionalmente talentoso, não só na minha opinião como na de Schmutzer e de toda a Academia. - À noite fomos à Ópera Buffa e ouvimos boa música de Anfossi. Essa apresentação foi muito fatigante porque já tínhamos ouvido algo realmente bom durante a manhã. Eu conhecia bem os melhores números da ópera, de um concerto em Copenhagen, mas apenas o tenor cantou decentemente. Os outros sequer sabiam suas partes. Além do mais, esses artistas se permitiam liberdades no palco, pelas quais o Imperador deveria chicoteá-los em praça pública. O tenor, por exemplo, cumprimentou algum bom amigo num camarote - é incrível como ele não lhe ofereceu uma pitada! - e o baixo, que, enfiado sob uma mesa para não ser visto por seus companheiros, fazia caretas para eles, como se dissesse: "Vocês não me verão até que acertem o compasso!" O que prova que ilusão é uma palavra desconhecida por esses desastrados bem pagos!

Notas: J. D. Preisler era um dos membros do Teatro Real de Copenhagen, enviado para estudar nos principais teatros europeus. Nessa época os Lange moravam na Mariahilferstrasse. A ária de Paisiello pode ter sido da ópera La grotta di Trofonio. A ópera Creso pode ter sido a de Anfossi. Caterine Möller (ou Müller) era a prima donna do Teatro Real de Copenhagen. Apenas Katherina Cavalieri, Ferdinand Arnold, Theresia Teyber Arnold e Saal não receberam aviso prévio. A ópera continuou suas atividades e Aloisia não foi demitida.


Memórias

Index