Joseph Lange (1751-1831)


Johann Joseph Lange nasceu em Wüzburg, Alemanha, em 1º de abril de 1751, filho de Johann Bartholomäus Lange. Tendo ficado órfão do pai em 1º de setembro de 1760, Joseph Lange ficou sob os cuidados de Johann Philipp Christoph von Reibelt, oficial da corte de Würzburg, e que faleceria em 1766.

No verão de 1767 ou no início do ano seguinte, Lange passou a viver com o genro de Reibelt, o Barão Egyd Felix Borie, jurisconsulto em Viena.

Joseph Lange estudou pintura na Academia de Desenho e Gravura em Cobre de Viena, e veio a se tornar um excelente pintor amador. Ao mesmo tempo, desenvolvia sua carreira como ator, estreando na peça Brutus, de Joachim Wilhelm von Brawe (1738-1758), em 20 de agosto de 1770 no Kärntnertortheater, juntamente com seu irmão mais velho, Joseph Michael (1742-1771), cujo personagem era Marzuis. Joseph Lange, que tinha 19 anos, interpretou um pequeno papel de tribuno.

Lange teria tanto sucesso em sua carreira, que em breve se tornaria um dos atores favoritos de Viena, admirado mesmo pelo Imperador Joseph II. Ele também viria a ser um dos atores mais bem pagos da companhia. Entre seus principais papéis estavam Romeu e Hamlet, em peças de Shakespeare, adaptadas para alemão. Lange atuava freqüentemente com a atriz Johanna Sacco, uma das preferidas da companhia. Ele também era requisitado como pintor, retratando atores e cenas para diversas publicações teatrais. Lange era conhecido também por ser muito inteligente e carismático, e falava espanhol fluentemente.

Em 24 de setembro de 1775 Joseph Lange casou com a atriz e soprano Anna Maria Elisabeth Schindler (1757-1779), com quem teve três filhos; o único que sobreviveu ao pai foi Anton, também um pintor, e que vivia em Bamberg. Pouco após a morte de sua primeira esposa no último parto, em 14 de março de 1779, Lange conheceu Aloisia Weber na residência do Barão Kienmayr. A ligação entre os dois tornou-se irremediavelmente séria, pois quando eles se casaram em 31 de outubro de 1780, na Catedral de São Estêvão, Aloisia já estava grávida. Isso certamente causou grande confusão na família Weber, pois o contrato de casamento indica que Lange se comprometera a pagar uma vultosa pensão de 700 gulden por ano à sua futura sogra. Mozart e Constanze viriam a sofrer em seu noivado tanto quanto Lange e Aloisia. Lange também sustentava sua sogra Schindler, do primeiro casamento.

Embora o casal Lange fizesse sucesso em Viena, seu casamento não foi feliz. Aloisia era voluntariosa e mostrava tendência à depressão, especialmente quando grávida. O casal Lange teve sete filhos. Lange, por outro lado, era ciumento - não se sabe se com razão - e isso não se dava com a personalidade de Aloisia.

Após o casamento de Mozart com Constanze em 1782, os dois casais mantiveram relações amigáveis. Aloisia participava de concertos de Mozart e vice-versa, e os quatro freqüentavam festas juntos. Lange era maçom, assim como Mozart. Durante sua visita ao filho, em 1785, Leopold Mozart foi desenhado por Lange, e Leopold elogiou a semelhança em carta a sua filha Nannerl. Infelizmente esse esboço está perdido. Ainda naquele ano, em 20 de agosto, Joseph Lange e Vincenzo Righini foram testemunhas do casamento de Franz Anton Weber (tio paterno de Aloisia) com Genoveva Brenner, na Schottenkirche. Franz Anton e Genoveva seriam pais do compositor Carl Maria von Weber.

No ano seguinte, Lange participou da estréia de Der Schauspieldirektor K.486 no Orangerie do castelo de Schönbrunn, como Herz, um papel falado, enquanto Aloisia interpretava sua esposa, a orgulhosa prima donna Madame Herz.

Durante o final da década de 1780, os problemas dos Lange ficaram mais evidentes. A mãe de sua primeira esposa, sua própria mãe e sua atual sogra intrometiam-se na vida do casal, e Cäcilie Weber tentou mesmo separá-los, arranjando um contrato para a filha em outra cidade. Além disso, a guerra contra os turcos em 1788 afetou a economia do Sacro Império, endividando os Lange, assim como os Mozart. Mas, diferentemente do compositor, que procurava esconder sua situação do público, os Lange receberam ajuda do Imperador Joseph II e de amigos. Foi por esse período que Lange desistiu de pintar, e alguns historiadores acreditam que esse tenha sido o motivo de o retrato de Mozart ter ficado incompleto, datando-o de 1789. Constanze mais tarde diria que esse era o retrato mais parecido com o compositor.

As diferenças entre Aloisia e Lange eram muito grandes. Após a morte de Mozart, Constanze fazia esforços para divulgar a música de seu marido através de concertos, e Aloisia cantara em alguns deles. Em 1795, Constanze partiu para Leipzig com o pianista e compositor Anton Erberl; Aloisia acompanhou-os e não voltou para casa. Joseph Lange tentou, em vão, fazê-la mudar de idéia. Mais tarde teria de se contentar em pagar-lhe uma pequena pensão anual.

Lange estava agora só em Viena, com os filhos sobreviventes de seus dois casamentos. Ainda assim continuou sua carreira de ator até 1810, e ainda de 1817 a 1821. Após separar-se de Aloisia, Lange viveu com Theresia Vogel (?-1851), uma dama-de-companhia, com quem teria três filhos.

Joseph Lange escreveu suas memórias, nas quais se encontra uma boa descrição da personalidade de Mozart. Seu testamento infelizmente foi roubado do Arquivo de Viena antes de 1924. Após uma longa carreira de sucesso, Lange faleceu em Viena, 17 de setembro de 1831.


VER TAMBÉM:

MEMÓRIAS DE JOACHIM DANIEL PREISLER


Parentes e amigos

Index