Josepha Weber Hofer (Mayer) (c.1759-1819)


Josepha Weber nasceu em Zell im Wiesental, filha de Fridolin Weber e Cäcilie Stamm Weber. Irmã de Johann Nepomuk, Aloisia, Constanze e Sophie, Josepha também teve uma boa educação musical em Mannheim, onde a família Weber viveu de 1762 a 1778, e onde conheceram Mozart.

A carreira musical em ascensão de sua irmã Aloisia provocou a mudança da família para Munique em 1778 e para Viena em 1779. Lá, após a morte de Fridolin em outubro daquele ano, e com o casamento de Aloisia no ano seguinte, Cäcilie vivia com suas três filhas na mesma casa em que alugava quartos. Mozart era um dos inquilinos da família, e, tendo se apaixonado por Constanze, tentou convencer o pai da sua superioridade moral em relação às irmãs. Assim, ele descreveu Josepha como "preguiçosa, grosseira, falsa, e esperta como uma raposa."

Josepha estudou canto em Viena com Vincenzo Righini, compositor e kapellmeister. Em 1784, Mozart tentou, sem sucesso, obter para sua cunhada um emprego em Munique, através de Theobald Hilarius Marchand, que fora professor de atuação de Aloisia em Mannheim.

Em 21 de julho de 1788 Josepha casou com Franz de Paula Hofer, violinista e amigo de Mozart, na Catedral de S. Estêvão. O casal Hofer teve uma filha, também chamada Josepha, afilhada de Joseph von Bauernfeld, e que seria cantora e membro do Theater an der Wien (além de ser pianista) e se casaria com Karl Hönig em 1813.

Como membro do Freihaus-Theater, sua mãe cantou em Die eingebildeten Philosophen (versão alemã de I filosofi immaginari de Paisiello) em 24 de janeiro de 1789 e permaneceu na companhia após Emanuel Schikaneder assumir sua direção naquele ano. Em setembro  estava sendo planejada uma versão alemã de Il barbiere di Siviglia de Paisiello, e Mozart começou a escreveu uma ária para Josepha naquela ópera. Os planos foram cancelados, e a ária, com orquestração incompleta, se chamava Schon lacht der holde Frühling K.580. Esta ária, aparentemente, seria cantada por Rosina durante sua lição de canto. A versão Der Barbier von Sevilla só seria apresentada pela companhia em 1796. Mozart também escreveu a ária Ohne Zwang, aus eugnem Triebe  K.569, hoje perdida, para sua cunhada.

Josepha continuou como membro da companhia quando esta mudou-se para o Theater an der Wien em 1801. Além do papel de Königin der Nacht em Die Zauberflöte K.620, o qual cantou inúmeras vezes, Josepha interpretou, entre outros, os seguintes papéis: Donna Laura em Don Juan (versão alemã de Don Giovanni K.527) em 5 de novembro de 1792; Gräfin em Die Hochzeit des Figaro (versão alemã de Le nozze di Figaro K.492) em 28 de dezembro de 1792; Leonore em Die Schule ser Liebe, oder So machen sie's alle! (versão alemã de Così fan tutte K.588) em 14 de agosto de 1794; Konstanze em Die Entführung aus dem Serail K.384 em 6 de setembro de 1794; Madame Herz em Der Schauspieldirektor K.486 em 5 de agosto de 1797, e Königin der Nacht em Das Labyrinth, oder Der Kampf mit den Elementen, de Peter von Winter, em 12 de junho de 1798, papel que ela cantaria mais 34 vezes naquele ano.

Após a morte de Franz Hofer em 14 de junho de 1796, Josepha casou com o ator e cantor Friedrich Sebastian Mayer (1773-1835) em 23 de dezembro de 1797. Mayer também era membro da companhia do Freihaus-Theater, e seria o primeiro Pizarro na ópera Fidelio de Beethoven, no Theater an der Wien, em 20 de novembro de 1805.

Josepha encerrou sua carreira em 1805. Ela deixou um testamento que hoje está perdido; ela faleceu de derrame em Viena, 29 de dezembro de 1819.


Parentes e amigos

Index