Maria de Vesian Mandini (?-?)


Maria de Vesian era filha do oficial da corte de Versailles Antoine François de Vesian. Não se conhece a data e local de seu nascimento, mas há uma grande possibilidade de ela ter sido francesa.

Ela cantou na Itália e casou com Stefano Mandini, provavelmente entre 1780 e 1783. Os Mandini foram contratados em Viena em 1783, estreando juntos na ópera L’italiana in Londra de D. Cimarosa, como Madama Brillante e Milord Arispinghe em 5 de maio. Seus outros papéis em Viena incluem: Contessa di Belfiore em Fra i due litiganti il terzo gode de Sarti (28 de maio de 1783); Marina em Il burbero di buon core de Martín y Soler (4 de janeiro de 1786); Marcellina em Le nozze di Figaro K.492 (1º de maio de 1786); Olimpia em Le trame deluse de Cimarosa (7 de maio de 1787); Livietta em Le due contesse de Paisiello (28 de julho de 1787); Britomarte em L’arbore di Diana de Martín y Soler (1º de outubro de 1787). Ela também participou de diversos concertos, oratórios e eventos particulares.

Maria Mandini não fez tanto sucesso quanto o marido, mas era ainda assim bastante admirada. Zinzendorf escreveu no seu diário sobre Mandini no papel de Olimpia (Le trame deluse): “La Mandini se superou”, e sobre sua apresentação como Marina (Il burbero di buon core): “La Mandini mostrou-nos seu belo cabelo.”

Ela deixou Viena com o marido para cantar na Itália a convite da Rainha Maria Carolina em 1788.

Em 1789 ela e seu marido cantaram com considerável sucesso em Paris. Em junho ela e Stefano Mandini participaram da ópera La villanella rapita de Bianchi nos papéis de Mandina e Pippo, no Théâtre de Monsieur. Arthur Young escreveu em Travels during the Years of 1787, 1788 and 1789 que Maria Mandini era "uma cantora fascinante, - sua voz nada, mas sua graça, expressão, alma, tudo revelava extrema sensibilidade.

Não se sabe ao certo a data e o local de sua morte.


Parentes e amigos

Index