Tommaso Consoli (c.1753-a.1808)


Tommaso Consoli nasceu na Itália em cerca de 1753. Soprano castrato, fez parte da Ópera de Munique de 1773 a 1778; Um dos papéis cantado por Consoli naquela cidade foi o de Elisa, numa versão reduzida de Il rè pastore de Pietro Alessandro Guglielmi, em 1774. Historiadores especulam que Mozart tenha escrito para ele o papel de Ramiro em La finta giardiniera K.196, que estreou no Salvator-Theater de Munique em 13 de janeiro de 1775.

Consoli também cantou em Salzburgo quando da visita do Arquiduque Maximilian Franz à cidade; nesse período não havia castrati em Salzburgo. Consoli cantou no papel de Adone em Gli orti esperidi de Domenico Fischietti em 22 de abril de 1775, e no dia seguinte no papel de Aminta na estréia de Il rè pastore K.208.

Em sua passagem por Munique em 1777, Mozart reencontrou Consoli, que "reconheceu-me logo e ficou muito feliz em me ver." (carta a Leopold Mozart de 26 de setembro de 1777). Consoli, porém, seria demitido pelo novo Príncipe-Eleitor Karl Theodor, que sucedera Maximiliam III Joseph. De volta à Itália, Consoli cantou em Veneza, Turim e Roma.

Em Veneza, Consoli cantou na ópera Alessandro nell'Indie, de Luigi Mareschalchi, em 25 de maio de 1778, e La Didone abbandonata de Joseph Schuster, no ano seguinte, ambas no Teatro San Benedetto. Em Turim, cantou nas estréias de Nitteti de Salvatore Rispoli (dezembro de 1782) e Vologeso de Martín y Soler.

Tommaso Consoli foi mais tarde contratado como cantor na Capela Sistina em Roma, onde acredita-se que tenha falecido após 1808.


Parentes e amigos

Index